4 Amigos    Júlia    Pedro    Carlos    André             Lêda Maya

 

  "Sirvo-me de animais para
instruir os homens."

La Fontaine (1621-1695)





Carlos

Eu desconfio que o Carlos, mal começou a andar, já se enfiava pelo mato adentro. Nunca vi um menino gostar tanto de bicho e bichinhos, como ele. Todos os dias, após chegar da escola e almoçar, ele passa a mão numas bananas (escondido de sua mãe, claro), maloca-as na sua mochila e se pirulita para a floresta que fica bem atrás do castelo-prédio (não seria prédio-castelo?) para o seu encontro diário com os seus amigos sagüis.
E tudo
isso numa correria sem tamanho. Seu Francisco, o zelador (e castelo tem zelador?), sempre é ATROPELADO e, caído ou cambaleando, fica sozinho reclamando aos berros para um Carlos que já vai longe, levado pelo entusiasmo e por uma infindável energia. Na floresta o tempo não conta, os minutos são inexistentes e, sendo assim, Carlos fica tranqüilo e concentra-se no seu trabalho de guardião e pesquisador minucioso, relacionando-se profundamente com o meio que o cerca. Sempre sai da floresta com algum inseto no bolso para suas pesquisas.
 
 
copyright © 2007  - www.ledamaya.com.br | Todos os direitos reservados.                                                                                        design: Eduardo Passos